bartolomeu1
Tal pai tal filho: Lhasa Apsos
05 fev 2012

Colaboração

Luise Spinoza é formada em Rádio e TV pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Trabalha oficialmente como Produtora de TV. Em outubro de 2011 iniciou um trabalho paralelo: Pet Sitter. Ou seja, por gostar de animais, começou a receber e cuidar de cachorros em sua casa, quando os respectivos donos vão viajar. Através do blog www.casadomimo.blogspot.com ela fala sobre os cachorros que passaram pela casa, por meio de textos, fotos e vídeos.

Share

Por Luise Spinosa

C

onheci o Bartolomeu e o Bambu no Parque Luiz Carlos Prestes, tempos atrás. Nesse dia avisei a dona deles sobre a Casa do Mimo. Por isso, semana passada ela me ligou perguntando se eu não podia deixar os fofuchos comigo no fim de semana. Pai: Bartolomeu Filho: Bambu.

Então, eles chegaram dia 17 de dezembro na Casa. E, logo pude perceber que o Bambu tem um temperamento mais fácil de lidar. É doce, quieto e bonzinho. Já o pai… É bem mais elétrico e rebelde que o filho. Depois desses dois, entendi o ditado que diz que os filhos são o oposto dos pais. Enquanto o Bambu ficava olhando para mim todo doce com seu queixo para frente, o pai andava espevitado, latindo pela casa e fazendo de tudo para chamar a atenção de todos ao seu redor.

E, quando resolvi sair para jantar conheci o primeiro estrago de um hóspede na Casa do Mimo. No tempo em que estive fora o Bartolomeu destruiu meu edredom e meu travesseiro, de modo que eu tive que ficar horas costurando o estrago que o piquinininho fez, depois que voltei para Casa. Mas, mesmo assim, gostei dele e do fim de semana com os dois, pois não posso negar que o Ba é um lhasa pra lá de fofo e bonitinho. Sendo que, os dois: pai e filho passaram o fim de semana todo andando atrás de mim para onde quer que eu fosse, com aquela típica expressão de focinho carente. É impossível não gostar deles!

Porém, dormi bem melhor depois que o piquinininho do Ba foi embora. No meio da noite do dia 17 para o dia 18 de dezembro acordei, em plena madrugada, com os latidos do cão. E, até hoje ainda não pude descobrir o que o que ele queria com aqueles latidos. Por mais que eu gritasse “Pára, Bartolomeu!” ele continuava elétrico, latindo pelo quarto.

O resultado disso foi que no dia seguinte levantei exausta, simpatizando muito mais com o filho do que com o pai. Tanto que o piquinininho chegou a ter ataques de ciúmes de mim com o Bambu. Mas, tanto o pai quanto o filho são mega fofos, e, infelizmente tive que devolvê-los no dia seguinte: domingo, dia 18 de dezembro de 2011.

 

[Nota WIKI]
Lhasa Apso
é uma pequena raça canina oriunda da região chinesa do Tibet. Considerada antiga, sua origem data dos idos de 1500, e seu nome vem da capital Lhassa, que em seguida recebeu o complemento apso (que pode designar tanto “ovelha”, quanto “sentinela de Potala”). Sagrados para os monges, tinham a função de alertar e zelar pelas propriedades; além de serem vistos pelos budistas como seres capazes de preverem avalanches, enquanto moradores das montanhas. Por serem sagrados, eram bem cuidados e jamais trocados por dinheiro; exemplares eram dados em sinal de extremo respeito. Fora da China, foi primeiramente visto no Japão, iniciando sua expansão quatro séculos mais tarde, ao chegar à Inglaterra.

 

Luise Monteiro Spinoza
São Paulo, SP
VIA: CASA DO MIMO 

Luise Spinoza é formada em Rádio e TV pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Trabalha oficialmente como Produtora de TV. Em outubro de 2011 iniciou um trabalho paralelo: Pet Sitter. Ou seja, por gostar de animais, começou a receber e cuidar de cachorros em sua casa, quando os respectivos donos vão viajar. Através do blog www.casadomimo.blogspot.com ela fala sobre os cachorros que passaram pela casa, por meio de textos, fotos e vídeos.


Licença Creative Commons
Tal pai tal filho: Lhasa Apsos de Luise Spinoza está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://www.casadomimo.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença emhttp://autopsiareview.org/tal-pai-tal-filho-lhasa-apsos/

No comments
Leave a comment

Cadastre seu e-mail e receba os nossos posts!