Pitacos com o seu cérebro
Posted by 31 janeiro 2015
ch_cerebro_marisa
Imagem: Surrealart Challenge Brain, postado por Ruby Blossom – ambos by Flickr Commons Por Marisa Nieri mbora seja possível viver com apenas um rim ou sem o baço, não vivemos sem o coração ou o fígado. Carecemos de suficientes marcadores biológicos disponíveis para ajudar a diagnosticar quando ocorre alguma disfunção biológica com o cérebro. Quando órgãos entram em falência, o cérebro também padece, embora seja o último a deixar o navio que até então conduziu. O cérebro nos sinaliza e adoece por diversas causas. É necessário cuidar dele com imenso respeito – o que gera benefício para o corpo como um todo. Coisas simples...
Ler um livro é quase como ver um filme…
Posted by 11 janeiro 2015
ch_livroequaseumfilme
Imagem: do link http://filmesegames.com.br/2014/georges-melies-o-comeco-de-tudo-pop-cine/ Por menino Heitor (*) eorge Méliès nasceu no dia 8 de dezembro de 1861 e morreu no dia 21 de janeiro de 1938. Ele foi um ilusionista (ou mágico) francês. Fez muito sucesso como mágico e foi um dos precursores do cinema. Ele usava efeitos fotográficos para criar mundos fantásticos. Méliès é considerado o “pai dos efeitos especiais”, fez mais de 500 filmes e construiu o primeiro estúdio  cinematográfico da Europa. Também foi o primeiro cineasta a usar desenhos para projetar suas cenas. E o que esse francês tem a ver com o post de hoje? Ele é um dos...
“Olho por olho, dente por dente!”
olho-por-olho-hermes-fernandes
Imagem: http://pneumatikon119.blogspot.com.br/2013/02/olho-por-olho-dente-por-dente.html “11º – Se o proprietário do objeto perdido não apresenta um testemunho que o reconheça, ele é um malvado e caluniou; ele morrerá.” Khammu-rabi, rei da Babilônia no 18º século A.C., estendeu grandemente o seu império e governou uma confederação de cidades-estado. Recebeu no final do seu reinado, uma enorme “estrela” em diorito, na qual ele é retratado recebendo a insígnia do reinado e da justiça do rei Marduk. Mandou escreverem 21 colunas com 282 cláusulas que ficaram conhecidas como Código de Hamurábi (que inclui também antigas leis). O código relevou três classes sociais: a do “awelum” (a classe...
Quanto mais baixa a autoestima, mais é difícil pedir desculpas
baixaautoestimadentro
Imagem: ©shutterstock econhecer um erro ou pedir perdão não é fácil para a maioria das pessoas. Para algumas, ainda, é realmente penoso. A consciência do erro afeta a autoimagem, o que deixa egos ‘mais frágeis’ relutantes”, diz o psicólogo Andrew Howell, da Universidade Grant MacEwan, no Canadá, autor de um estudo que relaciona traços de personalidade e “predisposição” para pedir desculpas. Howell solicitou a homens e mulheres de diferentes idades que assinalassem se concordavam ou não com sentenças de um questionário, como “Por ainda estar com raiva quase nunca consigo me desculpar” e “Se acho que os outros não vão saber...
1